Skip to main content

Choques climáticos levam à Crise (IPC Fase 3) enquanto uma Época de El Niño se aproxima

  • Previsão de Segurança Alimentar
  • Moçambique
  • Junho 2023 - Janeiro 2024
Choques climáticos levam à Crise (IPC Fase 3) enquanto uma Época de El Niño se aproxima

Baixe o relatório

  • Mensagens-chave
  • Panorama Nacional
  • Calendário Sazonal num Ano Normal
  • Áreas de Maior Preocupação Zona de Formas de Vida Semiárida Sul com Cereais e Gado (MZ22) (Figura 5)
  • Mensagens-chave
    • A maioria das famílias pobres e muito pobres enfrenta uma insegurança alimentar aguda Mínima (IPC Fase 1) sustentada pela disponibilidade de alimentos da colheita de 2023. No entanto, nas zonas afectadas pela seca, cheias e ciclones do sul e centro do país, baixa produção agrícola, esgotamento das reservas de alimentos, rupturas das actividades de subsistência e oportunidades limitadas de geração de renda estão a resultar numa situação de Estresse (IPC Fase 2) e de Crise (IPC Fase 3). Em Cabo Delgado, embora as condições de segurança estejam a melhorar, a situação de Crise (IPC Fase 3) e de Estresse! (IPC Fase 2!) são generalizadas, uma vez que a maioria das pessoas regressadas para as suas zonas de origem ainda não recuperou as suas formas de vida básicas, e os deslocados internos continuam dependentes da assistência humanitária para minimizar os seus défices no consumo de alimentos.

    • Em Maio, os preços do milho permaneceram atípica e continuamente estáveis, refletindo provavelmente a entrada lenta deste produto nos mercados locais na sequência de atrasos na colheita e perdas localizadas de culturas devido aos choques climáticos que afectaram as regiões sul e centro durante a campanha 2022/2023 e o impacto do conflito em Cabo Delgado na dinâmica localizada da oferta de milho no norte. Os preços do milho em Maio de 2023 se situaram na ordem de 9 a 54 por cento acima dos preços do ano passado e superiores, inferiores ou semelhantes em comparação com a média de cinco anos. Os preços do arroz permaneceram relativamente estáveis em todos os mercados monitorados de Abril a Maio de 2023.

    • No ciclo de distribuição da assistência de Maio/Junho, os parceiros do Grupo de Segurança Alimentar (FSC) prestaram assistência a cerca de 571.300 pessoas em Maio, pouco mais de 40 por cento dos beneficiários alvo. Os parceiros do FSC planeiam cobrir os demais beneficiários alvo em Junho. As distribuições estão em curso em 10 distritos de Cabo Delgado e deverão ser concluídas em Junho. No ciclo de distribuição de Maio/Junho, o valor das senhas de transferência em dinheiro foi aumentado para 4.230 MT (~66 USD) de modo a permitir a manutenção do poder de compra dos beneficiários. Diferentes parceiros do FSC também realizaram intervenções nas formas de vida para 90.840 pessoas em Maio, incluindo a distribuição de sementes de hortícolas, instrumentos, tratamento de animais, kits iniciais para actividades de geração de renda ou treinamentos relacionados com a agricultura.

    • Em Maio de 2023, a FEWS NET realizou uma rápida avaliação qualitativa da segurança alimentar nos distritos mais afectados pela tempestade tropical Freddy na província da Zambézia. Os resultados indicam que os agricultores perderam uma parte significativa da produção de mandioca, arroz e batata-doce. Entrevistas com agricultores e grupos focais revelaram que muito poucas famílias receberam sementes para a recuperação das perdas de culturas na sequência da tempestade. Portanto, a produção pós-cheias do arroz e do milho replantados poderá ser mínima. No entanto, as famílias com acesso às zonas baixas poderão ter uma produção de hortícolas média a acima da média na segunda época. Os preços de alimentos aumentaram em mais que o dobro depois da passagem da tempestade tropical Freddy, mas têm vindo a baixar gradualmente. A maioria das famílias muito pobres e pobres continua fortemente dependentes de compras de alimentos no mercado, mas existem oportunidades limitadas de geração de renda, levando à Crise (IPC Fase 3) entre as famílias mais afectadas e vulneráveis.


    Panorama Nacional

    Situação Actual

    Colheita em curso: As colheitas estão em curso em todo o país, particularmente em zonas de alta produção, tais como os planaltos de Tete, Zambézia, Manica e Sofala, interior de Nampula e Cabo Delgado e Niassa. No entanto, uma produção agrícola baixa ou fracassada poderá ocorrer em grande parte do sul do país, na sequência de ocorrência de estiagens, temperaturas elevadas e cheias em Janeiro e Fevereiro. Na região centro, as zonas mais afectadas pelas cheias e ventos fortes da tempestade tropical Freddy em Fevereiro e Março registaram uma colheita abaixo da média, particularmente em partes das províncias da Zambézia, Sofala e Tete.

    Embora as estimativas oficiais de produção estejam actualmente indisponíveis, de acordo com as estimativas de rendimento e produção da USDA-FAS a produção nacional de milho poderá ser de cerca de 1,8 milhão de toneladas, cerca de 18 por cento inferior a do ano passado e semelhante à média de cinco anos. Dados recolhidos via satélite, como o índice de satisfação hídrica (WRSI), indicam que houve humidade boa a muito boa para a produção de milho ao longo da época nas regiões centro e norte de Moçambique, mas um WRSI médio a fracassado na maioria da região sul, com os piores resultados no oeste de Gaza (Figura 1). No entanto, o WRSI não pode incorporar o impacto das cheias e danos causados pelos ventos nas culturas, como os que ocorreram durante a tempestade tropical Freddy que afectou partes das províncias da Zambézia, Sofala e Tete.

    Figura 1

    Índice de Satisfação Hídrica (WRSI) para milho, 31 de Maio 2023.
    Maize water requirements were poor to failed in southwestern Mozambique but average to good across the rest of the country

    Fonte: FEWS NET/USGS

    Estimativas qualitativas de informantes chave sugerem que a produção nacional poderá estar próxima da média, sustentada pelos investimentos agrícolas em curso, como o programa SUSTENTA, particularmente nas zonas de alta produção. Para além disso, as fortes chuvas em Fevereiro e Março poderão propocionar a humidade residual necessária e favorável à produção da segunda época principalmente de hortícolas nas zonas baixas do centro e sul de Moçambique. Por outro lado, a distribuição de sementes pelos parceiros humanitários nas zonas afectadas pelas cheias e ciclones faz com que mais famílias participem na produção pós-cheias.

    As famílias muito pobres e pobres nas zonas directamente afectadas pelos choques climáticos em 2023 continuam dependentes do mercado, mas o acesso limitado a oportunidades de geração de renda através de pequenos negócios ou trabalho ocasional está a limitar o seu poder de compra. Como resultado, estas famílias estão a começar prematuramente a intensificar as suas estratégias típicas de sobrevivência indicativas de Estresse (IPC Fase 2), incluindo a venda de animais acima do normal, gasto de poupanças, fazer empréstimo de dinheiro ou comida, envolvimento na produção e venda de carvão, ou redução de gastos com produtos não alimentícios para a compra de alimentos. No entanto, as famílias muito pobres mais vulneráveis nas zonas mais afectadas pelos choques climáticos deste ano, que possuem poucos ou nenhuns animais, pouca ou nenhuma capacidade de produção de carvão e incapazes de contrair empréstimos, poderão estar a enfrentar Crise (IPC Fase 3) e estão envolvidas em estratégias de sobrevivência baseadas no consumo, tais como saltar refeições, reduzir o tamanho das refeições, consumir variedades de alimentos menos preferidos e aumentar o consumo de alimentos silvestres para minimizar os défices no consumo de alimentos.

    Avaliação rápida da segurança alimentar na Província da Zambézia: Em Maio de 2023, a FEWS NET realizou uma avaliação rápida qualitativa da segurança alimentar nos distritos afectados pelo ciclone Freddy, nomeadamente Namacurra, Maganja da Costa, Nicoadala e Quelimane na província da Zambézia. Os resultados indicam que as principais culturas da zona, nomeadamente a mandioca, arroz e batata-doce, foram as mais afectadas (Figura 2). Embora a distribuição de insumos esteja em curso para a recuperação pós-ciclone Freddy, muitas famílias afirmaram ter recebido sementes, especialmente em Maganja da Costa. De acordo com um relatório dos Serviços Provinciais das Actividades Económicas da Zambézia (SPAE), cerca de 869,9 mil hectares foram lavrados e semeados até ao final de Março para a campanha agrícola 2022/23. No entanto, a passagem da tempestade tropical Freddy resultou na perda de cerca de 15 por cento da área semeada e, no geral, 37 porcento da área semeada foi afectada, tendo resultado na perda de animais, pasto e equipamentos agrícolas. Após a tempestade tropical Freddy, o SPAE estimou que cerca de 110.455 famílias precisavam de insumos agrícolas, principalmente sementes de milho, feijão nhemba, couve, cebola e alface, bem como enxadas. No entanto, até Abril, apenas 3 mil famílias tinham recebido tal assistência através do programa SUSTENA.

    Figura 2

    Campos de arroz inundados (esquerda) e amarelecidos (direita) no distrito de Maganja da Costa,11-17 de Maio, 2023
    Pictures of flooded and yellow rice fields in Zambezia

    Fonte: FEWS NET

    As poucas famílias que receberam sementes de arroz reportaram dificuldades na sementeira devido ao excesso de água, resultando em baixa produtividade e perda das culturas. Para as famílias que receberam sementes de milho, não houve precipitação cumulativa suficiente desde a tempestade tropical Freddy para sustentar o crescimento desta cultura, com menos de 165 mm de precipitação registada desde 31 de Março de 2023. Como resultado, a colheita da sementeira pós-cheias do arroz e milho a partir de Julho poderá ser mínima. No entanto, as famílias com acesso às zonas baixas e acesso a sementes poderão registar uma produção de segunda época média a acima da média principalmente de hortícolas.

    Os preços dos alimentos aumentaram em mais que dobro logo após a passagem do ciclone Freddy e permanecem elevados, apesar de terem baixado desde então. A maioria das famílias muito pobres e pobres depende fortemente de compras no mercado para ter acesso aos alimentos na sequência duma colheita abaixo da média. Normalmente, as principais fontes de renda entre as famílias pobres incluem a venda da produção agrícola, pesca, bebidas de fabrico local, carvão e trabalho agrícola pelos homens e pelas mulheres. No entanto, nas zonas mais afectadas, as famílias dependem da renda do trabalho ocasional nas zonas baixas, particularmente na produção de hortícolas, fabrico de blocos, venda de esteiras, produção de carvão e pesca sempre que possível. A maioria das famílias pobres relatou consumir farinha de milho ou farinha de mandioca com folhas de abóbora, folhas de batata-doce, folhas de mandioca e peixe seco. No entanto, nas zonas altas da Zambézia, incluindo os distritos de Milange, Mocuba, Guruè, Alto Molocué, Namarrói, Morrumbala, Lugela e Ile, as culturas estão em boas condições e a produção poderá estar acima da média.

    Zonas de conflito de Cabo Delgado: A actividade associada aos grupos armados não estatais diminuiu de Janeiro a Maio de 2023 na província de Cabo Delgado devido aos esforços contínuos do combate contra a insurgência, desagregação dos grupos armados e sua realocação no oeste e sul da província em meio as dificuldades de movimentação durante a estação chuvosa. De acordo com a Avaliação do Rastreamento da Mobilidade da IOM-DTM, em 12 de Maio de 2023, cerca de 420 mil pessoas retornaram para as suas casas no norte de Moçambique. Os distritos com maior número de regressados inclui Mocímboa da Praia, Palma, e Muidumbe. No interior de Cabo Delgado, a maioria das famílias já está tendo acesso à colheita verde da sua própria produção agrícola, excepto nos centros de deslocados internos onde as famílias continuam a depender principalmente da assistência alimentar. A maioria das famílias em Cabo Delgado continua a consumir milho e farinha de mandioca, hortícolas e feijão. A produção de 2023 também deverá ser superior à dos últimos três anos devido ao aumento das condições de segurança, retorno de mais pessoas deslocadas às suas zonas de origem e aumento do número de famílias envolvidas em actividades agrícolas. No entanto, um início errático da estação chuvosa fez com que a maioria das famílias semeasse no final de Dezembro de 2022 e Janeiro de 2023, com a maior parte da colheita prevista em Maio e Junho.

    Preços dos alimentos: De Abril a Maio, os preços do milho na maioria dos mercados monitorados não baixaram sazonalmente como se esperava e permaneceram estáveis, provavelmente reflectindo a entrada e disponibilidade lenta deste cereal nos mercados locais na sequência de atrasos na colheita e perdas localizadas de culturas devido aos choques climáticos reportados na época agrícola 2022/2023 (Figura 3). A maioria dos mercados monitorados através de dados de preços disponíveis em Maio mostram que os preços do milho estiveram na ordem de 9 a 54 por cento acima dos respectivos níveis do ano passado. No entanto, nos mercados de Manica e Lichinga, os preços do milho em Maio de 2023 estiveram na ordem de 13 e 45 por cento abaixo dos preços do ano passado, enquanto nos mercados de Chókwe e Mutarara, os preços do milho permaneceram estáveis. Foi observada uma tendência mista em comparação com a média de cinco anos nos mercados monitorados. Os preços acima da média têm reduzido o poder de compra das famílias muito pobres e pobres que dependem da compra de alimentos nos mercados locais, especialmente em zonas onde a produção de 2023 foi afectada por choques climáticos.

    Figura 3

    Preços de produtos básicos no Mercado de Maputo, Janeiro 2018 a Maio 2023
    Chart showing the price of staple goods in the Maputo market. Diesel prices have increased; however maize, maize meal, and rice prices are stable.

    Fonte: FEWS NET usando dados de MADER/SIMA

    Os preços do arroz e da farinha de milho permaneceram relativamente estáveis em todos os mercados monitorados de Abril a Maio de 2023. Os preços do arroz em Maio de 2023 permaneceram estáveis ou acima dos preços de Maio de 2022 na maioria dos mercados monitorados e 6 a 37 por cento acima da média dos cinco anos em todos os mercados monitorados, excepto Chókwe, onde os preços são semelhantes à média de cinco anos, e Manica, onde os preços estiveram 8 por cento abaixo da média de cinco anos. Os preços da farinha de milho permaneceram relativamente estáveis em todos os mercados monitorados de Abril a Maio de 2023. Os preços da farinha de milho foram 10 a 28 por cento superiores aos preços do ano passado em Chókwe, Lichinga e Inhambane e estáveis em todos os outros mercados. Em comparação com a média de cinco anos, os preços da farinha de milho em Maio de 2023 foram estáveis ou acima da média de cinco anos. Os preços da farinha de milho estiveram acima da média de cinco anos na ordem de 12 a 39 por cento em Xai-Xai, Chókwe, Lichinga e Inhambane e mantiveram-se estáveis em todos os outros mercados.

    Inflação e tendência cambial: De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de inflação anual em Moçambique baixou pelo segundo mês para 8,23 por cento em Maio de 2023, atingindo o seu ponto mais baixo desde Abril de 2022. Os preços abrandaram principalmente em relação a alimentos e bebidas não alcoólicas (14,07 por cento) e transportes (10,67 por cento), mas mantiveram-se altos. A nível nacional, a província de Inhambane registou a taxa de inflação anual mais elevada de 11,85 por cento, enquanto a província de Nampula registou a taxa de inflação anual mais baixa de 5,94 por cento. Numa base mensal, os preços ao consumidor caíram 0,39 por cento em Maio, a primeira queda desde Maio de 2021. Os produtos que mais contribuíram para a redução da inflação mensal foram coco, repolho, alface, milho e tomate, com preços a baixar para 4,5 para 14,5 por cento. Apesar desta desaceleração da taxa de inflação, o custo de vida continua elevado para a maioria das famílias pobres e muito pobres, especialmente nas zonas afectadas pelos choques climáticos deste ano e pelo conflito devido às dificuldades de acesso à renda.

    Assistência alimentar humanitária: Em Maio, os parceiros do Grupo de Segurança Alimentar (FSC) cobriram cerca de 571.300 pessoas em todo o país com a assistência alimentar geral durante o ciclo de distribuição de Maio/Junho, cerca de 42 por cento dos beneficiários alvo. Cerca de 464.335 pessoas receberam assistência em Cabo Delgado. Os parceiros de FSC planeiam cobrir o restante dos beneficiários alvo em Junho. A assistência alimentar geral representa cerca de 42 por cento do número dos beneficiários alvo (enquanto os restantes serão assistidos durante o mês de Junho como parte do ciclo Maio/Junho). Em Cabo Delgado, as distribuições em Nangade, Ancuabe, Ibo, Macomia, Metuge, Mueda, Chiúre, Mocímboa da Praia, Palma, Namuno e Quissanga deverão estar concluídas até ao final de Junho. Actualmente, três dos nove distritos onde a selecção de beneficiários baseada na vulnerabilidade foi realizada estão a receber a assistência, com todas as distribuições nos nove distritos planificados a serem realizadas com base na vulnerabilidade no ciclo de Setembro/Outubro. Os valores das senhas de transferência em dinheiro foram aumentados para 4.230 MT (~ 66 USD) para o ciclo de distribuição de Maio/Junho para garantir que os beneficiários mantenham o seu poder de compra. Em Maio, os parceiros do FSC distribuíram sementes de hortícolas, instrumentos, prestaram tratamento dos animais, distribuíram kits iniciais para actividades de geração de renda ou treinamentos relacionados à agricultura para cerca de 90.840 pessoas em Moçambique.

    Resultados Actuais de Segurança Alimentar

    A maioria das famílias rurais enfrenta insegurança alimentar aguda Mínima (IPC Fase 1) sustentada por reservas de alimentos da colheita de 2023. No entanto, nas zonas afectadas por secas, cheias e ciclones no sul e centro de Moçambique, colheita fraca, reservas alimentares esgotadas e oportunidades limitadas de geração de renda estão a resultar em condições de Estresse (IPC Fase 2). Nos distritos mais afectados pelo ciclone Freddy nas províncias da Zambézia, Sofala e Tete, as famílias pobres enfrentam Crise (IPC Fase 3), uma vez que permanecem atipicamente dependentes da compra de alimentos no mercado na sequência de uma colheita significativamente abaixo da média ou fracassada. Nestas zonas, a renda abaixo da média na venda de culturas, o aumento da concorrência pelas oportunidades de autoemprego e o acesso limitado aos mercados para a venda de produtos têm limitado o poder de compra das famílias pobres, com as famílias a adoptarem estratégias de sobrevivência para minimizar os défices no consumo de alimentos. As famílias que tiveram acesso às sementes nas zonas afectadas pelas cheias estão actualmente envolvidas na produção pós-cheias e produção da segunda época, com a colheita prevista de Julho a Setembro. Nas zonas afectadas pelo conflito em Cabo Delgado, embora tenha havido um aumento no número de deslocados internos que retornam às suas zonas de origem, a recuperação das oportunidades normais de geração de renda e formas de vida é lenta, uma vez que a ameaça de ataques inesperados continua a limitar a actividade económica. Nas zonas mais afectadas pelo conflito, a situação de Crise (IPC Fase 3) persiste devido ao acesso limitado aos alimentos e renda, com a situação de Estresse! (IPC Fase 2!) presente em zonas onde o a intervenção humanitária está em curso.


    Calendário Sazonal num Ano Normal
    Seasonal calendar for Mozambique. From June to September is the post harvest period, with land preparation taking place in September. From October to January the start of the rainy season, planting, and the lean season occur.

    Pressupostos

    O cenário mais provável de Junho de 2023 a Janeiro de 2024 é baseado nos seguintes pressupostos a nível nacional:

    • Com base nos modelos de previsão, a precipitação média a abaixo da média é provável em Moçambique durante o restante da estação seca (Junho a Setembro de 2023). O início da estação chuvosa de Outubro a Dezembro de 2023 poderá ser misto com um possível início tardio devido à probabilidade de ocorrência de El Niño. A precipitação de Dezembro a Março poderá estar abaixo da média.
    • Os níveis das barragens e o abastecimento nacional de água deverão estar próximos da média, sustentados pelas recargas das estações chuvosas 2021/2022 e 2022/2023. No entanto, é improvável que os transbordamentos dos rios tenham um impacto significativo nos campos agrícolas ao longo dos principais rios durante o período do cenário.
    • A nível nacional, a disponibilidade do milho no mercado poderá estar próxima da média para o ano de consumo de 2023/2024, sustentada pela colheita principal de 2023, reservas de transição de 2022 e produção pós-cheias e da segunda época. No entanto, as zonas do norte, particularmente as províncias de Niassa e Nampula, e algumas zonas de produção excedentárias do centro do país, particularmente o norte da província de Tete e província de Manica, deverão abastecer os mercados nas zonas deficitárias nas regiões centro e sul com volumes normais de milho. No entanto, os elevados custos de transporte e transacção manterão elevados os preços deste cereal.
    • O comércio transfronteiriço de milho com o Malawi poderá aumentar, particularmente nas zonas afectadas pelas cheias no sul do Malawi. O comércio de bens alimentares e não alimentares com o Zimbabwe será normal. A procura de alimentos processados sul-africanos e alguns produtos agrícolas como batata e cebola permanecerá alta nas zonas urbanas e periurbanas de Moçambique devido à baixa produção nacional.
    • De Junho a Setembro de 2023, a maioria das famílias normalmente se envolve em oportunidades de trabalho não agrícola para a obtenção de renda, enquanto outras se dedicam em actividades de trabalho agrícola relacionadas com a produção de hortícolas e alguns cereais de ciclo curto durante a segunda época. Nas zonas afectadas pelos choques, as famílias poderão aumentar a sua dependência em pequenos negócios e venda de serviços para obtenção de renda. O aumento da concorrência poderá resultar em níveis de renda abaixo do normal. De Outubro de 2023 a Janeiro de 2024, a maioria das famílias rurais poderá se envolver em actividades de trabalho agrícola, tais como preparação da terra, sementeira e sacha, apesar de um provável início errático da estação chuvosa que poderá reduzir as oportunidades para níveis abaixo dos normais.
    • A nível nacional, os salários agrícolas deverão estar próximos da média, excepto nas zonas semiáridas do sul e partes da região centro onde os choques passados poderão resultar numa liquidez abaixo da média das famílias ricas para o pagamento dos seus trabalhadores.
    • A segunda época normalmente contribui com aproximadamente 20 por cento da produção anual total. A produção da segunda época até Setembro poderá ser média, impulsionada pela humidade residual acima da média resultante das cheias de Fevereiro e Março.
    • De Outubro de 2023 a Janeiro de 2024, os danos causados por pragas poderão ser médios. No entanto, nas zonas semiáridas das regiões sul e centro, o nível de infestação estará dependente do início da época chuvosa 2023/2024, com chuvas reduzidas susceptíveis de aumentar a proliferação da lagarta do funil de milho (LFM), gafanhotos, broca de milho, lagarta mineira e roedores.
    • Com base nas projecções de preços da FEWS NET, os preços do milho no mercado de referência de Maputo seguirão as tendências sazonais mas permanecerão superiores aos preços do ano passado e à média de cinco anos devido ao aumento da procura e disponibilidade relativamente inferior a do ano passado (Figura 4). Os preços elevados do milho reduzirão o poder de compra das famílias muito pobres e pobres, limitando o seu acesso aos alimentos, especialmente nas zonas afectadas pelos choques em 2023. Como é típico, os preços da farinha de milho e do arroz poderão permanecer mais estáveis do que os preços do grão, mas variações de curto-longo prazos levarão à dinâmica localizada da oferta e demanda.

    Figura 4

    Preços de milho e projecções de Maputo (MZN/kg)
    Chart showing the maize grain price projection for Maputo market from December 2022 to April 2024. Prices are likely to be higher than last year and the five-year average but follow seasonal trends.

    Fonte: FEWS NET estimativas baseadas em dados do MADER/SIMA

    • Nas zonas semiáridas do sul e partes das regiões centro afectadas por choques durante a época agrícola 2022/2023, a disponibilidade de alimentos das famílias poderá estar abaixo da média devido a uma colheita baixa ou fracassada. Na zona norte e maior parte da zona centro, a disponibilidade de reservas de alimentos ao nível das famílias estará em níveis quase normais.
    • Na maior parte do sul, as condições físicas dos animais poderão deteriorar-se com uma deterioração sazonal do pasto antes do início da estação chuvosa no final de 2023. No entanto, a previsão do início errático de chuvas poderá retardar a recuperação das condições de pasto. Devido às condições físicas abaixo do normal, o preço dos animais poderá estar ligeiramente abaixo da média de Outubro a Janeiro. No entanto, esperam-se condições favoráveis de pasto e irrigação em grande parte do norte durante o período do cenário.
    • A disponibilidade de alimentos silvestres poderá ser média em todo o país.
    • A situação de segurança poderá continuar a melhorar em Cabo Delgado durante o período do cenário, com a frequência e intensidade dos ataques de insurgentes a permanecerem em níveis reduzidos. Pequenas células insurgentes poderão realizar ataques esporádicos contra aldeias no centro, litoral e norte de Cabo Delgado durante todo o período da perspectiva, enquanto as forças de segurança locais e regionais trabalharão para manter os esforços conjuntos de combate em curso, apesar dos controles e operações separados. O reassentamento dos deslocados internos e a retomada das operações comerciais por empresas multinacionais poderão melhorar as actividades agrícolas e a circulação de civis, incentivando cada vez mais as extensões das missões das forças da SADC e garantindo a sustentabilidade dos ganhos de segurança na província para uma estabilidade a longo prazo

    Resultados Mais Prováveis de Segurança Alimentar Aguda

    De Junho a Setembro de 2023, a maioria das famílias pobres continuará a ter acesso aos alimentos da sua própria produção e enfrentará insegurança alimentar aguda Mínima (IPC Fase 1). No entanto, em zonas afectadas por choques climáticos em 2023 e onde a produção principal foi seriamente afectada, a maioria das famílias pobres dependerá da segunda época e da produção pós-cheias para minimizar os défices no consumo de alimentos, mas serão incapazes de cobrir as despesas em artigos não alimentares, permanecendo em situação de Estresse (IPC Fase 2). As famílias pobres e muito pobres incapazes de participar na produção pós-cheias e da segunda época poderão intensificar as suas estratégias típicas de sobrevivência, tais como a venda de galinhas e cabritos, produção e venda de carvão, coleta e venda de lenha, fabrico de bebidas tradicionais e coleta e venda de produtos florestais (capim, estacas de construção, caniço) e aumento do consumo de alimentos silvestres. Nas zonas mais afectadas pelas cheias e ciclones da Zambézia, Sofala e Tete, as famílias muito pobres e pobres incapazes de se envolver nas actividades da segunda época e sem animais para venda ou capacidade de produção de carvão poderão se envolver em estratégias de sobrevivência baseadas no consumo indicativas de Crise (IPC Fase 3), tais como saltar refeições, reduzir o tamanho das refeições e aumentar o consumo de alimentos silvestres para minimizar os défices no consumo de alimentos. Nas zonas afectadas pelo conflito em Cabo Delgado, as famílias deslocadas poderão continuar a regressar aos seus locais de origem ao longo do período da perspectiva onde terão melhor acesso aos alimentos e renda. No entanto, o número de deslocados internos poderá permanecer alto durante 2023. A maioria das zonas afectadas pelo conflito poderá permanecer em Crise (IPC Fase 3), enquanto as que recebem assistência humanitária regular deverão permanecer em Estresse! (IPC Fase 2!).

    De Outubro de 2023 a Janeiro de 2024, a situação de Crise (IPC Fase 3) poderá emergir nas zonas afectadas pelo El Niño, onde o início errático da época afectará a disponibilidade de actividades de trabalho agrícola. Além disso, as famílias pobres continuarão com um poder de compra e acesso ao mercado cada vez mais baixos devido a preços de alimentos acima da média e renda abaixo da média. À medida que o período de escassez progride, estas famílias pobres poderão começar a se envolver em estratégias de sobrevivência mais severas, como retirar as crianças da escola - a menos que refeições sejam fornecidas na escola ou enviar membros da família para comerem em outro lugar. As famílias mais pobres, sem animais para venda e sem capacidade de produção e venda de carvão, poderão intensificar o seu envolvimento em estratégias de sobrevivência indicativas de Crise (IPC Fase 3). Em Novembro, o início da estação chuvosa poderá aumentar as oportunidades de trabalho agrícola, tais como preparação da terra e sementeira. No entanto, os respectivos salários nas zonas afectadas por choques climáticos poderão estar abaixo do normal devido ao facto de as famílias médias e ricas possuírem uma liquidez abaixo do normal na sequência da venda abaixo do normal das suas culturas da época 2023. Em partes da Zambézia e na província de Tete, as zonas mais afectadas pela tempestade tropical Freddy deverão estar em Estresse (IPC Fase 2) ou em Crise (IPC Fase 3) à medida que as famílias vão esgotando as suas reservas de alimentos da segunda época e continuam a recuperar as suas formas de vida. No entanto, o acesso limitado a sementes e insumos agrícolas poderá limitar as oportunidades de trabalho agrícola e acesso à renda durante a época de escassez. Em Cabo Delgado, as zonas afectadas pelo conflito poderão permanecer em Crise (IPC Fase 3), com as zonas que recebem assistência humanitária em Estresse! (IPC Fase 2!).

    Eventos que podem mudar a perspectiva

    Tabela 1

    Table 1. Possíveis eventos que nos próximos oito meses podem alterar o cenário mais provável

    Área Evento Impactos sobre os resultados de segurança alimentar
    Nacional Ocorrência de precipitação média a acima da média O início oportuno, precipitação bem distribuída e precipitação média a acima da média melhorariam o início da época agrícola 2023/24 e a disponibilidade de alimentos silvestres. O aumento do acesso aos alimentos silvestres melhorará a disponibilidade e consumo de alimentos das famílias. Além disso, a precipitação sustentaria oportunidades de trabalho agrícola próximas da média e melhoraria a disponibilidade de pasto e água.
    Nacional Cheias severas Cheias severas em Janeiro de 2024 afectariam negativamente as famílias pobres nas principais bacias hidrográficas, particularmente no norte, zona costeira e baixo Zambeze e Limpopo. Como resultado, as famílias pobres provavelmente precisariam de assistência alimentar durante menos três a quatro meses até que as colheitas pós-cheias fossem disponíveis, o que está além do período do cenário.
    Zona de Formas de Vida Sul Semiárida com Cereais e Gado (MZ22) Os comerciantes não respondem a demanda do Mercado conforme previsto Os mercados locais seriam sub abastecidos, causando um aumento dos preços dos alimentos. O acesso aos alimentos para famílias pobres dependentes do mercado será mais difícil, particularmente em zonas afectadas por choques. A redução do acesso ao mercado aumentará os défices no consumo de alimentos  das famílias pobres.
    Zona de Formas de Vida Sul Semiárida com Cereais e Gado (MZ22) Assistência humanitária inadequada Uma resposta inadequada às necessidades de assistência humanitária no sul de Moçambique aumentaria o envolvimento das famílias em estratégias de sobrevivência mais severas para minimizar os défices no consumo de alimentos. Além disso, haveria um aumento na prevalência da desnutrição aguda.

     


    Áreas de Maior Preocupação Zona de Formas de Vida Semiárida Sul com Cereais e Gado (MZ22) (Figura 5)

    Figura 5

    Zona de Formas de Vida Semiárida Sul com Cereais e Gado (MZ22)
    Area of concern reference map for Southern Semi-arid Cereals and Cattle Livelihood Zone (MZ22)

    Fonte: FEWS NET

    Esta zona foi escolhida como Área de Preocupação na sequência de uma ocorrência consecutiva de baixa produção baixa 2023 e probabilidade de uma terceira colheita abaixo da média em 2024 devido ao El Niño previsto (Figura 6).

     

    Figura 6

    Percentagem da precipitação média usando anos seleccionados de 1981 quando o El Niño esteve presente de Dezembro a Fevereiro
    Map showing the average rainfall during years when El Nino was present in December since 1981. Below average rainfall across much of central and southern Mozambique, particularly southwestern Mozambique.

    Fonte: FEWS NET/USGS

    Situação Actual

    Condições agrícolas/colheita: A recém-concluída época agrícola 2022/23 foi caracterizada por uma precipitação errática em Dezembro de 2022 e Janeiro de 2023, com períodos prolongados de seca e temperaturas elevadas, resultando em murcha e perda das culturas. Durante este período, as famílias semearam múltiplas vezes para tentar recuperar alguma produção. Uma precipitação forte foi registada em Fevereiro, mas veio tarde demais para o replantio ou recuperação das culturas, principalmente em partes a oeste da província de Gaza. Além disso, a forte precipitação ocorrida em Fevereiro resultou no transbordamento de rios e cheias, principalmente nas zonas baixas.

    Dados recolhidos via satélite tais como o Índice de Satisfação Hídrica (WRSI), avaliações de campo e entrevistas a informantes chave confirmam que a produção de 2023 poderá estar na ordem de 30 a 40 por cento abaixo da média, uma vez que a maioria das culturas não tolerantes à seca, como o milho, fracassou. No entanto, a produção de culturas resistentes à seca tais como a mexoeira e mapira, também alimentos básicos da zona, poderá estar na ordem de 50 a 60 por cento da média. Na província de Inhambane, a produção na zona de formas de vida 22 é semelhante, uma vez que a produção agrícola foi afectada pelas cheias e ventos fortes da tempestade tropical Freddy em Fevereiro. Isso marca a segunda época consecutiva com um nível de produção abaixo da média, depois de longos períodos de seca terem resultado numa fraca produção em 2022 em toda a zona de formas de vida.

    Reservas de alimentos das famílias e acesso: As reservas de alimentos para a maioria das famílias muito pobres são muito baixas na sequência da fraca colheita da época de 2023 em Maio. Normalmente, as reservas de alimentos das famílias muito pobres e pobres podem durar até seis meses. No entanto, na sequência da fraca produção de milho, as famílias pobres dependem das suas reservas da mexoeira e de mapira, que poderão se esgotar por volta de Setembro de 2023.

    Trabalho agrícola e salários: Colheitas consecutivas abaixo da média reduziram as oportunidades de trabalho agrícola e o acesso a renda através da venda de culturas pelas famílias ricas. A liquidez abaixo do normal das famílias médias e ricas também resulta numa menor procura da mão de obra casual e pequenos negócios durante a estação seca.

    Auto-emprego e estratégias de sobrevivência: As famílias pobres continuam atipicamente dependentes das compras de alimentos no mercado após a colheita de 2023 e dependem principalmente da renda do trabalho ocasional e pequenos negócios. No entanto, as oportunidades limitadas de geração de renda têm obrigado algumas famílias a venderem galinhas para a obtenção de renda, o que geralmente acontece durante a época de escassez de Novembro a Março. A maioria das famílias pobres possui galinhas, algumas possuem dois a cinco cabritos e muito poucas possuem porcos.

    As famílias também têm aumentado o seu envolvimento na produção e venda de carvão, construção, artesanato, venda de produtos florestais e produção de bebidas ou coleta de água para as famílias ricas. As famílias pobres recebem pagamentos em género (alimentos) e dinheiro. No entanto, o aumento da concorrência e demanda limitada têm reduzido o acesso das famílias à renda e levando a um poder de compra abaixo do normal. A coleta de alimentos silvestres, principalmente para consumo, mas também para venda, ocorre sempre que possível. A disponibilidade de alimentos silvestres está próxima da média e complementa o consumo de alimentos das famílias. O acesso das famílias à renda varia muito, já que os compradores tendem a ditar os preços, aproveitando-se da necessidade de renda das famílias pobres. As famílias pobres mais próximas dos mercados podem conseguir vender os seus produtos a preços mais elevados, como 300 a 500 MT por saco de 50 kg de carvão (~4,70 a 7,80 USD/saco de 50 kg). No entanto, os preços normalmente baixam para 100 MZN (1,56 USD) por saco de 50 kg de carvão quanto mais distantes as famílias vendedoras estiverem do mercado. Algumas famílias que vivem em zonas remotas também migram temporariamente para locais próximos dos principais corredores comerciais para aumentar as oportunidades de venda ou para zonas com recursos florestais para produzir carvão e vendê-lo. As famílias que vivem em zonas remotas têm poucas oportunidades de mercado para vender os seus produtos, obrigando algumas famílias a viajar para mercados distantes para a venda de galinhas ou carvão; no entanto, os altos custos de transporte limitam as oportunidades de geração de renda e poucas famílias pobres escalam mercados distantes.

    Consumo de alimentos das famílias: Apesar da colheita abaixo da média e do acesso limitado à renda, a maioria das famílias pobres consegue satisfazer as suas necessidades alimentares básicas, mas não consegue satisfazer as suas necessidades não alimentares. A maioria das famílias pobres está a reduzir as suas despesas escolares, pagamento de serviços de saúde/medicamentos, fertilizantes e outros insumos agrícolas, instrumentos de trabalho, custos de transporte, vestuário, pilhas, carvão, materiais de construção e outros artigos domésticos. No entanto, as famílias muito pobres mais vulneráveis estão a envolver-se em estratégias de sobrevivência baseadas no consumo, como o consumo excessivo de alimentos silvestres tais como macuacua, xicutsi, tinhire e tinhlaru e aumento do consumo de alimentos menos preferidos. As famílias envolvidas no consumo excessivo de alimentos silvestres enfrentam dificuldades para satisfazer às suas necessidades energéticas diárias de 2.100 quilocalorias por pessoa por dia devido à falta de renda para a compra de alimentos nos mercados na sequência de choques sucessivos ao longo de poucos anos.

    Resultado actual da segurança alimentar: Após a colheita fraca e reservas de alimentos abaixo da média, a maioria das famílias pobres na zona está actualmente em situação de Estresse (IPC Fase 2), uma vez que conseguem satisfazer as suas necessidades alimentares, mas não as necessidades não alimentares, enquanto as famílias muito pobres mais afectadas podem estar envolvidas em estratégias de sobrevivência indicativas de Crise (IPC Fase 3).

    Presupostos

    Além dos pressupostos a nível nacional, os seguintes pressupostos se aplicam a esta área de preocupação:

    • Precipitação errática e abaixo da média. A estação chuvosa de 2023/24 poderá ser inferior a 75 por cento do normal de Dezembro a Março, com base em anos analógicos desde 1981, quando o El Niño estava presente em Dezembro (Figura 6). A Zona de Formas de Vida Sul Semiárida com Cereais e Gado (MZ22) também poderá ser a mais afectada pelo El Niño em Moçambique.
    • Disponibilidade de mão-de-obra agrícola e salários abaixo da média. As oportunidades de trabalho agrícola poderão estar abaixo da média de Outubro de 2023 a Janeiro de 2024 devido a um início errático da estação chuvosa de 2023/24. Por outro lado, os salários e pagamentos em espécie poderão estar abaixo da média devido à liquidez abaixo do normal e reservas de alimentos ao nível das famílias médias e ricas.
    • Infestações de pragas. Chuvas reduzidas poderão aumentar a prevalência da Lagarta de Funil do Milho (LFM) afectando o desenvolvimento e o desempenho das culturas durante o período do cenário. Dados históricos sugerem que os danos causados por roedores também poderão aumentar, particularmente para o milho no seu estágio reprodutivo. O Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural estima que os danos causados por pragas e doenças podem contribuir com até 40 por cento das perdas das culturas quando as medidas de controle não forem pontualmente implementadas.
    • Insumos agrícolas. Após várias tentativas de sementeira nas últimas duas épocas, as famílias pobres já usaram grande parte das suas reservas de sementes e poderão enfrentar dificuldades no acesso às sementes para a época agrícola 2023/24, contribuindo para que menos terra seja semeada. A maioria dos agricultores poderá usar sementes de milho por elas guardadas, embora sejam normalmente sementes de baixa qualidade e menos resistentes a pragas e doenças.
    • Baixas reservas de alimentos das famílias. A maioria das famílias pobres poderá ter reservas de alimentos abaixo do normal durante o período do cenário. As reservas de alimentos poderão durar de um a três meses para as famílias muito pobres e pobres, diminuindo por volta de Setembro.
    • Preços de animais abaixo da média. De Agosto até o início das chuvas em Novembro, os preços dos animais poderão baixar ligeiramente para níveis abaixo da média, uma vez que os proprietários poderão ficar tentados a vender o restante das suas galinhas e cabritos para obtenção da renda.
    • Preços elevados do milho. Com base na projeção integrada de preços da FEWS NET, os preços do milho poderão ser superiores aos do ano passado e próximos da média de cinco anos durante grande parte do período da projeção (Figura 7). No entanto de Outubro de 2023 a Janeiro de 2024, os preços do milho poderão ser superiores aos do ano passado devido ao aumento da demanda e maiores custos de transporte da zona centro, o que pode resultar em menor oferta de milho nos mercados distantes. Embora os preços estejam próximos da média de cinco anos, ainda são considerados altos para as famílias pobres com baixo poder de compra. Nos últimos dez anos, os preços do milho aumentaram de 8 MT/kg em 2014 para 23 MT/kg em 2023.

    Figura 7

    Preços de milho e projecções em Chókwe (MZN/kg)
    Chart showing maize grain prices in Chokwe market. Prices are projected to be similar to last year and follow seasonal trends.

    Fonte: FEWS NET estimativas com base nos dados do MADER/SIMA

    • Milho acima da média flui para a zona. Ao longo do período do cenário, os fluxos comerciais informais e formais da região centro poderão aumentar para compensar os défices da oferta do mercado zonal. No entanto, a disponibilidade global do milho permanecerá abaixo da média até a colheita em Março de 2024, mantendo os preços altos.

    Resultados Mais Prováveis de Segurança Alimentar

    De Junho a Setembro de 2023, a maioria das famílias pobres poderá aumentar a sua dependência de compras no mercado à medida que as suas reservas de alimentos diminuírem. Por outro lado, as famílias continuarão a se envolver em oportunidades de auto-emprego para a geração da renda necessária para a compra de alimentos. No entanto, o poder de compra das famílias poderá estar abaixo da média devido aos elevados preços dos alimentos durante o período pós-colheita e aumento da concorrência na geração de renda. Um número crescente de famílias pobres deverá expandir as estratégias de subsistência para cobrir ou minimizar os défices no consumo de alimentos. No entanto, por volta de Setembro, um número crescente de famílias pobres poderá começar a enfrentar défices no consumo de alimentos, particularmente nas zonas semiáridas remotas da província de Gaza, onde há oportunidades limitadas de geração de renda através de actividades de auto emprego, baixa demanda de pequenos negócios e mão-de-obra ocasional e elevados preços dos alimentos devido ao seu afastamento dos mercados. As famílias muito pobres e pobres poderão continuar a intensificar o seu envolvimento em actividades típicas de geração de renda, incluindo o envio de membros seus à procura de oportunidades de trabalho ocasional nos principais centros urbanos em Moçambique e África do Sul. No entanto, as remessas poderão estar abaixo da média devido à actividade económica abaixo do normal nas principais zonas urbanas e aumento da xenofobia na África do Sul. À medida que as reservas de alimentos se esgotam, as famílias pobres envolver-se-ão cada vez mais em estratégias de sobrevivência indicativas de Crise (IPC Fase 3), tais como enviar um membro da família para comer em outro lugar, aumentar o consumo de alimentos silvestres, como xicutsi, que normalmente são consumidos no final do ano, consumir reservas de sementes, retirar as crianças da escola, saltar ou reduzir refeições e consumir alimentos menos preferidos.

    De Outubro de 2023 a Janeiro de 2024, o início da época agrícola 2023/23 poderá ser afectado pelo El Niño com um início errático e provavelmente tardio da precipitação. Um atraso no início efectivo da precipitação limitará a disponibilidade de oportunidades de trabalho agrícola para a maioria das famílias pobres e afectará o seu acesso aos salários em dinheiro ou em espécie durante a época normal de escassez. No entanto, a maioria das famílias estará envolvida na limpeza das terras em Outubro e, a partir de Novembro, começarão a semear caso se registe um início efectivo da precipitação no início da estação chuvosa. No entanto, as famílias poderão ter um acesso abaixo da média a semente na sequência de ocorrência de colheitas consecutivas abaixo da média. Durante este período, as famílias pobres também buscarão cada vez mais oportunidades de geração de renda para compras no mercado do trabalho casual, pequenos negócios e produção e venda de carvão, enquanto aumentam o consumo de alimentos silvestres para minimizar os défices no consumo de alimentos. No entanto, o poder de compra das famílias poderá continuar abaixo da média devido ao aumento da concorrência pela renda e demanda e liquidez limitadas das famílias ricas. Além disso, o aumento sazonal dos alimentos básicos manterá baixo o poder de compra das famílias. Depois de duas colheitas fracas consecutivas, a maioria das famílias pobres e muito pobres poderá enfrentar sérias dificuldades em obter dinheiro para comprar alimentos no mercado devido a oportunidades limitadas de geração de renda, maior concorrência, baixa liquidez entre as famílias médias e ricas e maior escassez de alimentos silvestres. As famílias muito pobres poderão se envolver cada vez mais em estratégias de sobrevivência baseadas no consumo indicativas de Crise (IPC Fase 3) à medida que se esgotam as estratégias de sobrevivência baseadas nas formas de vida, como a venda de galinhas.

    Citação recomendada: FEWS NET. Perspectiva de Segurança Alimentar em Moçambique, Junho 2023 a Janeiro 2024: Choques climáticos levam à Crise enquanto se aproxima uma época de El Niño, 2023.

    Para projectar as condições de segurança alimentar ao longo de um período de seis meses, a FEWS NET desenvolve um conjunto de pressupostos sobre eventos prováveis, seus efeitos e as respostas prováveis de diversos actores. A FEWS NET analisa esses pressupostos, no contexto das condições actuais e formas de vida locais para desenvolver cenários estimando as condições de segurança alimentar. Normalmente, a FEWS NET reporta o cenário mais provável. Para saber mais, clique aqui.

    Get the latest food security updates in your inbox Sign up for emails

    The information provided on this Website is not official U.S. Government information and does not represent the views or positions of the U.S. Agency for International Development or the U.S. Government.

    Jump back to top