Relatório regional sobre mercados

East Africa Maize Supply and Market Outlook

Setembro 2017

CIF 2.0 Fase de Insegurança Alimentar Aguda Baseado

1: Minima
2: Stress
3: Crise
4: Emergência
5: Fome
Não mapeado
Poderia ser pior sem a assistência humanitária em vigor ou programad
A maneira de classificação que utiliza FEWS NET é compatível com a CIF. A análise compatível com a CIF segue os protocolos fundamentais da CIF mas não necessariamente reflete o consenso dos parceirosnacionais com respeito a segurança alimentar.

CIF 2.0 Fase de Insegurança Alimentar Aguda Baseado

1: Minima
2: Stress
3+: Crise ou pior
Poderia ser pior sem a assistência humanitária em vigor ou programad
A maneira de classificação que utiliza FEWS NET é compatível com a CIF. A análise compatível com a CIF segue os protocolos fundamentais da CIF mas não necessariamente reflete o consenso dos parceirosnacionais com respeito a segurança alimentar.
Para os países de Monitoreo Remoto, FEWS NET utiliza um contorno de cor no mapa CIF para representar a classificação mais alta da CIF nas áreas de preocupação.

CIF 2.0 Fase de Insegurança Alimentar Aguda Baseado

Países com presença:
1: Minima
2: Stress
3: Crise
4: Emergência
5: Fome
Parques e reservas
Países sem presença:
1: Minima
2: Stress
3+: Crise ou pior
Poderia ser pior sem a assistência humanitária em vigor ou programad
Não mapeado
Concentração de pessoas deslocadas – desloque o cursor sobre os mapas para ver as classificações de fases de segurança alimentar dos acampamentos na Somália, Sudão e Uganda.
A maneira de classificação que utiliza FEWS NET é compatível com a CIF. A análise compatível com a CIF segue os protocolos fundamentais da CIF mas não necessariamente reflete o consenso dos parceiros nacionais com respeito a segurança alimentar.
Para os países de Monitoreo Remoto, FEWS NET utiliza um contorno de cor no mapa CIF para representar a classificação mais alta da CIF nas áreas de preocupação.

As mensagens-chave

  • This report summarizes the supply and market outlook for maize grain in the east African countries of Tanzania, Uganda, Kenya, Ethiopia, Somalia, South Sudan, Rwanda, and Burundi. The outlook period follows the 2017/18 marketing year (MY), spanning from July 2017 to June 2018 and covering two main harvests—the 2017 June-to-August harvest and the 2017/2018 October-to-February harvest. While the June-to-August harvest data estimates are more reliable, the October-to-February harvests are projected and may be updated as data becomes available.

  • Preliminary production estimates suggest that, at the regional level, aggregate maize production for MY 2017/18 is expected to recover and be slightly higher than the 2016/2017 period and similar to five-year average levels. Carryover stocks were low following last year’s poor harvest. The region is nevertheless expected to maintain a maize surplus, but at below average levels. Imports from regional and international markets are expected to help fill domestic supply gaps. 

  • Ethiopia, the leading maize producer in the region, is expected to have an average surplus, while Tanzania and Uganda, also maize surplus-producing countries, are estimated to have below to well below-average exportable maize surpluses through July 2018. An export ban on maize grain flows from Tanzania may continue to restrict maize from reaching the maize deficit countries of Kenya, Burundi, and Rwanda where deficits are projected to be significantly above average. South Sudan and Somalia are projected to maintain dependence on imports and food assistance for maize as well as other staple foods in 2017/18. 

  • Nominal and export parity maize prices are expected to remain above-average in all countries through the end of 2017. 

  • Given this projected supply situation, monitoring the ongoing regional trade policies (including export restrictions in Uganda and Tanzania), international import levels, and the performance of upcoming harvests will be essential in 2018. 

About FEWS NET

A Rede de Sistemas de AlertaPrecoce de Fome é líder na provisão de alertas precoces e análises relativas à insegurança alimentar. Estabelecida em 1985 com o fim de auxiliar os responsáveis pela tomada de decisões a elaborar planos para crises humanitárias, a FEWS NET provê análises baseadas em evidências em cerca de 35 países. Entre os membros implementadores refere-se a NASA , NOAA, USDA e o USGS, assim como a Chemonics International Inc. e a Kimetrica. Leia mais sobre o nosso trabalho.

  • USAID Logo
  • USGS Logo
  • USDA Logo
  • NASA Logo
  • NOAA Logo
  • Kilometra Logo
  • Chemonics Logo